quinta-feira, 13 de junho de 2013

À dois

    Minha querida, essa cama não é tão ruim. Suas molas são até macias, embora às vezes me canse de estar deitado. Também gosto de ver as pessoas que por aqui passam, mesmo que você diga que esse lugar é muito mórbido e cheira a dor, acredito que aqui as pessoas são mais humanas, mais verdadeiras. Agorinha saiu um filho de um vizinho meu, que pela primeira vez em três anos veio falar com o pai. Foi tão bonito, meu bem, vê-lo chorando pelo tempo perdido. Se pudesse levantar-me dessa cama, teria lhe dito que tempo a gente também ganha, que ainda há como fazer uma bela história, há o que aproveitar daqui em diante. Mas ele estava tão longe... minha voz rouca não pôde alcançá-lo.
    Por que essa expressão, meu amor? A enfermeira não machuca-me, ela é uma ótima profissional, sempre atenciosa. É bem verdade que há dias que chegam estressadas, fazem tudo às pressas, mas as pessoas as culpam demais, elas também são gente. Suponho que não seja fácil ver tantas pessoas morrerem.
    Isso, gosto de vê-la assim, sorrindo enquanto beija minha mão e a segura, dizendo que só mesmo eu para falar essas coisas. Dá-me a sensação de estar em casa, faze-me esquecer dessa atual situação. Gosto de quando conta nossas bobagens, com esse mesmo sorriso, seus olhos brilham tanto... E eu sei que é como se você revivesse cada instante, então eu passo a vivê-los também, numa conexão que vasculha minha mente trazendo tanta coisa esquecida. Mas você não esquece, não é?
    Se eu morrer antes de você, adoraria que falasse de mim com esse sorriso e esse brilho no olhar, que não venha de lágrimas, porque elas deixam tudo tão melancólico... E a nossa vida foi feliz demais pra ser contada assim.
    Oh, não, não, não chore.  Não quero abalá-la, meu bem, eu sei que não é fácil vir aqui me ver e dedicar toda a atenção e carinho do mundo nesse lugar que não lhe faz muito bem, sei que se sente meio triste, compreendo como esse cenário é pesaroso pra ti, todavia quero que saiba que estou bem, talvez não fisicamente, mas minha alma está em paz. Com o tempo aprendi a ver beleza nisso tudo, até mesmo nessas lágrimas teimosas à escorrer em seu rosto que tanto me tiravam o sossego, viver é poesia. Algumas são amargas, é bem verdade, entretanto sempre há algo de mágico num mero sorriso.
    Ah, sim, sabia que sorriria com o que acabei de dizer. Foi você que me ensinou isso, dou-lhe os créditos.
    Importa-se de sorrir mais uma vez? Estou tão cansado, minhas pálpebras pesam, mas quero vê-la antes de dormir. Quero levar esse sorriso pra eternidade.
Me inspirei muito em Leite Derramado, do Chico Buarque. Confesso.

21 comentários:

  1. Samyle,
    me lembrou muito um filme baseado em livro do Nicholas Sparks, O Diário de uma Paixão, rs,
    Lindo demais, me fez imaginar cena por cena.

    Um beijo,
    Jhosy

    http://meninamsicaeflor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não esperava essa comparação! É incrível como não podemos prever a interpretação que as pessoas farão do que escrevemos, a gente envolve tanto a bagagem emocional que trouxemos da vida quando analisamos, que cada um me surpreende de modo particular. Deve ser por isso que amo escrever.

      Excluir
  2. Amei o texto, Samyle. Que lindo. Um dos melhores que li essa semana. Parabéns!

    www.naomeentendamal.com.br

    ResponderExcluir
  3. Samyleee que texto mais lindo!
    Olha, eu sou uma fã do velho (e lindo!) Chico e confesso que fiquei admirada.
    Parabéns :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awwn, obrigada. Estou cada vez mais fã dele, Chico é genial demais. O texto tinha que sair bom me inspirando nele haha'

      Excluir
  4. Que lindo seu texto, e não teve pessoa mais linda para se inspirar do que Chico. s2

    http://senhoritapriscila.blogspot.com
    Curti a fan page? (www)
    @priscilafrr,
    beijo.

    ResponderExcluir
  5. ôh coisa linda!!
    adorei!
    Beijão ✿◠‿◠)✿
    /(.”)__☆
    /||\
    _||_
    www.coisasdeladdy.com

    ResponderExcluir
  6. Samyle :)
    Como você está ?
    é redundante dizer que seu texto tá lindo...mas esta lindo mesmo *-*
    Mas triste :(

    Beijos e cuide-se

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se é triste ou não é questão de opinião. Eu o acho sincero, algo abaixo de camadas e camadas de segredos à dois. Isso me encanta.

      Excluir
  7. triste, mas bonito!!
    bjoks Samyle :)

    rockmoreworld.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Que texto mais maravilhoso esse, emocionante, adorei demais!
    www.espacegirl.com

    ResponderExcluir
  9. Que texto maravilhoso!! :'(
    "Com o tempo aprendi a ver beleza nisso tudo, até mesmo nessas lágrimas teimosas à escorrer em seu rosto que tanto me tiravam o sossego, viver é poesia. Algumas são amargas, é bem verdade, entretanto sempre há algo de mágico num mero sorriso."
    Compartilhei no meu facebook >.<

    Adolecentro

    ResponderExcluir
  10. Que texto lindo! Você escreve muito bem! Admiro muito quem tem esse dom ^^ hahaha gostei bastante do seu blog :)
    Beeijos

    fantasiand-o.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Que lindo! Fiquei um pouco emocionada quando li :)

    Acredito que só tem dois lugares onde as pessoas vão verdadeiramente humanas: em um velório, e em um hospital. QUando vamos para um desses lugares paramos de nos importar com coisas bobas e passamos a compreender o que realmente importa ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo assim, Salomão escreveu uma vez que é melhor estar na casa de luto do que na de festa. Porque quando você está feliz quer estar cada vez mais feliz sem se importar com nada, enquanto quando está triste passa a refletir. Não que eu não goste de ser feliz, mas a tristeza também é necessária.

      Excluir
  12. Que lindo texto Sam,
    Serve para a gente refletir e parar de reclamar da vida.
    Beijo

    ResponderExcluir
  13. Samyle, exclui a página 'Parcerias' do meu blog por motivos estéticos, mas não quero desfazer a parceria, então vim avisar-lhe que seu banner se encontra no rodapé da página junto ao meu. apenas modifiquei o local!

    Att, Myllena Vasconcelos

    Minhas Pequenas Verdades

    ResponderExcluir